Trance

Em pleno dia dos pais, me propus a escrever um top 5 sobre trance.

Nota: parte disso se deve ao fato de meu pai não entender como eu “consigo ficar ouvindo “puts puts” o dia inteiro“. Que ao menos sirva de referência para quando você quiser entender um pouco mais sobre as músicas estranhas que ouvimos/que ouvem por ai e também para que você explique ao seu filho um dia que “sim, você entende porque ele ouve aquelas músicas esquisitas e estranhas” e mesmo assim continua amando-o/a. Pai, isso aqui é pra você também!

Antes de tudo, quero levantar algumas questões para reflexão nos poucos fritos que vierem aqui ler ao menos a introdução antes de sair clicando no play pra ouvir as músicas. E pra que fique claro logo de cara, o trance nasceu e existe (pelo menos no meu modo de ver a coisa) justamente para que você pudesse refletir, pudesse espairecer ou ser levado ao seu subconsciente. Ao contrário do Psy (e mais especificamente do Full On) e de outras vertentes, o trance tem uma pegada mais leve, tem aquilo de levar você efetivamente aos seus pensamentos.  A coisa nasceu ligada ao budismo, muito tempo atrás. Na índia, era usado em eventos religiosos. Talvez por isso que as músicas tenham em partes esse efeito hipnótico e geralmente são calmas, não tendo aquelas explosões percebidas no Full On ou aquele ar intrusivo do Dark e/ou do Tribal. Geralmente sente-se um efeito de estar sendo levado a um estado literal de transe (tradução literal de trance). Mas isso, obviamente, somente para aqueles que se conectam com a música, que estão livres de pré-conceitos e dispostos a reagir apenas aos estímulos. Talvez por isso que a coisa não vingue tanto no Brasil, onde as massas se deslocam seguindo apenas os elementos da moda. Nada que faça você pensar ou que exija reações pessoais e intransferíveis tem muita atenção aqui. Viva o modismo!

Como tudo na música eletrônica, é difícil precisar quando exatamente surgiu o trance moderno, cuja lista de produtores é encabeçada por nomes famosos como Paul van Dyk, DJ Tiësto, Armin van Buuren, Above & Beyond, entre outros diversos. O que temos é o lado comum entre as músicas, sempre com melodias. Geralmente, são progressivas e se encerram no chamado “clímax”, o ponto mais alto da progressão. Algumas incluem vocais e outras podem incluir quebras no ritmo 4×4 característico das batidas, mas em geral você pode reconhecer um trance com esses fatores mencionados.

Aplicando a nossa realidade, o fato é que não são muitos os casos de festas e eventos com a temática Trance no Brasil, devido ao sucesso do Psy. Eu, particularmente, gosto de ouvir de tudo em casa e quando preciso me concentrar em algum serviço costumo recorrer ao trance, por mais contraditório que possa parecer. É aquele tipo de música que você consegue ouvir fazendo alguma outra coisa, como escrever um post no blog enquanto decide o seu top 5. Agora chega de bla bla bla e vamos a lista:

Top 5 – Trance | Músicas que fazem você refletir quando precisa se concentrar!

Edivika – Sometimes (Fire & Ice Remix)

Típico Trance com vocal, explorando sempre o conceito de progressão. Vale o estudo de caso.

Alex M.U.R.P.H – Unification (Original Mix)

Tem elementos interessantes, do começo ao fim. A falta de vocais é compensada por uma série de efeitos interessantes, que ligam a música do começo ao fim. Nesse momento, você já pode inclusive parar de pensar para dar lugar as idéias que surgirem na sua mente. Relaxar é primordial para a continuidade da coisa.

Above & Beyond vs Sunlounger – Air For Terrace

Se o vocal dessa música não ilumiar tuas idéias, nada mais o fará. A música tem quase um efeito terapêutico, deixando suas idéias fluirem naturalmente. E por mais que pareça conversa de frito isso, você pode e deve curtir isso em qualquer lugar. Progressão pensada para quem quer reflexão com altos estímulos, provavelmente.

DJ Tiësto – Driven To Heaven (Mat Zo Remix)

Tiësto dispensa apresentações. Apesar de ser considerado meio chacota em algumas rodas, o holandês manda muito na produção. Os elementos dessa música merecem atenção, depois da introdução a quebra de ritmo realizada com maestria e a apresentação de outros elementos é genial, merece o segundo lugar facilmente.

Digital Nature & Onova – Inspiration (Adam White Remix)

O BPM sobe um grau no final, só pra sensação de festa acontecer. Essa é por sua conta, analise e me diga o que você acha dela.

Todas as músicas aqui estão disponíveis no youtube em alta qualidade, basta acessar a página dos vídeos e ouvir. Você pode até baixar as músicas, se quiser, fica por sua conta e risco.

Related Posts with Thumbnails
Se gostou compartilhe!

Postagem feita no dia 10 de agosto de 2008 às 16:56 e arquivada na(s) categoria(s) Divagação, Geral, Som na caixa. Você pode acompanhar os comentários usando RSS 2.0 .
Você pode deixar um comentário ou um trackback do seu site/blog.



3 Comentários ;) para “Top 5 – Trance | Músicas para refletir!”

  1. Rafael Santos Sá on agosto 10th, 2008 at 18:44

    Acho trance mto foda, ouvi-lo ao ar livre com o tempo nublado, chuvoso, frio, no entardecer (de preferência numa serra, tipo em Sto Ant. do Pinhal, Campos do Jordão) é mto prazeroso.

    As minhas ideais surgem qdo as músicas ficam com poucos “instrumentos”, ficam leves, somente com os “sons agudos”, compreende? =D

    Não conhecia nenhuma música que indicou, curti todas, valeu msm! Eu conhecia Mat Zo e sempre paguei um pau.

    Deixo aqui algumas das minhas favorita, algumas com vocal, algumas dançante, mas nenhuma é deste ano:
    – Nic Chagall – Borderline http://songza.com/z/u7y1ta
    – John O’Callaghan – Big Sky (Agnelli & Nelson remix) http://songza.com/z/07pqda (quero mto ouvi-la no Skol Beats 08)
    – Kyau vs. Albert – Velvet Morning http://songza.com/z/e5wefa e http://www.imeem.com/aristafan/music/K9CyL0Pi/va_kyau_vs_albert_feat_damae_velvet_morning_beach_vibe/ (Beach vibe mix)
    – AVB – Never say Never http://songza.com/z/xudrbb
    – Kyau & Albert – 7 Skies http://songza.com/z/pq4g9m e http://songza.com/z/ngkmgm (club mix)
    – Paul Van Dyk – Nothing But You http://songza.com/z/jbisxm

    Existem outras, mas eu compartilho qdo tiver mais tempo, e você chará corintiano, não curte uns progressive house não? Diz que não que te mando uma playlist que fará vc curtir! haha flwz, indique mais sons, no twitter tb, usando o #ouvindo.

  2. Rafael Santos Sá on agosto 10th, 2008 at 20:48

    Fazendo freela, meio deitado na rede, ao som dos trances indicados por @justplay http://tinyurl.com/5gzyeg

  3. leonardo on agosto 11th, 2008 at 8:53

    e eu ainda espero aquele post com os vídeos com boa qualidade para baixar :P

Algo a dizer?

1. Diga o que quiser, você é totalmente responsável pelos seus comentários;
2. Não ofenda as pessoas, não use palavras de baixo calão;
3. Não seja desagradável;
4. Tenha em mente que o conteúdo desse blog é humorístico e/ou irreal;
5. Assim que sair, dê um sorriso;