Estudante que zerou em micareta não será indenizado

Revoltado por não ter conseguido beijar nenhum integrante de uma festa popular promovida pela Prefeitura de Guararapes do Norte ( 230 km de Rio Branco – Acre) no último mês de maio, o estudante universitário J. C. A. ajuizou uma ação judicial bastante inusitada em face daquela Municipalidade.

A referida demanda cuidava-se de um pedido de indenização por danos morais motivado pelo descontentamento do jovem, cujas razões foram colocadas da seguinte forma na exordial: “Após quase dez horas de curtição e bebedeira, não havia conquistado a atenção de sequer uma das muitas jovens que corriam atrás de um trio elétrico, visivelmente transtornadas“. Ainda segundo o autor, que diagnosticou na falta de organização da prefeitura a causa de sua queixa, todos os seus amigos saíram da festa com histórias para contar.

Em sua contestação, a prefeitura de Guararapes do Norte ponderou tratar-se de “Demanda inédita, sem qualquer presunção legal possível“, porque não caberia a ela qualquer responsabilidade no sentido de “Aliciar membros da festividade para a prática de atos lascivos, tanto mais por se tratar de comemoração de caráter familiar, na qual, se houve casos de envolvimento sexual entre os integrantes, estes ocorreram nas penumbras das ladeiras e nas encostas de casarões abandonados, quando não dentro dos mesmos, mas sempre às escondidas

Entretanto, apesar da aparente inconsistência da demanda judicial por seus próprios méritos, a ação ainda ganhou força antes de virar objeto de chacota dos moradores da cidade, em virtude do teor da réplica apresentada pelo autor, que contou com um parecer desenvolvido pelo doutrinador local Juvêncio de Farias, asseverando que “Sendo objetiva a responsabilidade do Estado, mesmo que este não pudesse interferir na lascívia dos que festejavam, o estudante jamais poderia ter saído tão amuado de um evento público

Ao autor da demanda, no entanto, como resultado de uma “aventura jurídica” que já entrou para o folclore daquela municipalidade, não restaram apenas consequências nocivas. Afinal, em que pese a sentença que deu cabo ao processo ter julgado a demanda totalmente improcedente, o estudante se saiu vitorioso após ter arranjado como namorada uma funcionária do setor de aconselhamento psicológico do município, que passou a freqüentar por indicação do próprio magistrado responsável pelo encaminhamento da lide.
Segundo a própria Municipalidade, tal acontecimento afetivo ocorreu sem nenhuma participação do Estado.

Fonte: “Gazeta Jurídica de Piracema Branca do Norte”
Novembro, 2007

Fonte: Comunistas caricatos – Orkut

Imagina se a moda pega? Culpar o estado pela falta de pegação na balada. Aonde estão as safadinhas da micareta, que num momento de descuido total, deixaram que o rapazinho passasse batido? Onde estão as piadas prontas desse país, que cada dia me surpreende mais? Onde estará Josias, o ermitão? Onde diabos está o Acre, que alguns dizem existir mas ninguém nunca viu? Onde estará a fonte online, que me faz crer que de tão chacota pode e deve ser criação de Antonio Tabet (Kibeloco), devido a formatação precisa e disciplinada? ;)

Related Posts with Thumbnails
Se gostou compartilhe!

Postagem feita no dia 23 de novembro de 2007 às 4:36 e arquivada na(s) categoria(s) Hypes. Você pode acompanhar os comentários usando RSS 2.0 .
Você pode deixar um comentário ou um trackback do seu site/blog.



4 Comentários ;) para “Não pega mulher? Processe o estado!”

  1. ERIKA MATHYAS on novembro 25th, 2007 at 14:22

    Bom! Levando em consideração que a micaretas são apenas para diversão e não para prática de atos lacivos, que seria presunção de indução por parte do Estado à prática de uma conduta tipificado no Código Penal.
    Muito não me admira que um sujeito tenha entrado com uma ação contra o Estado por estar frustado com sua falta de competencia em conquistar mulheres.
    A que ponto nosso sistema judiciário chegou, umas ações assim só servem mesmo para desmoralizar o nosso sistema judiciário, fico feliz pelo fato dos nossos juízes terem optado pela razão e aplicação correta do texto constitucional e terem decidido improcedente o pedido do autor, mesmo porque o pedido mais perece uma chacota e um modo de aparecer do tal sujeito.
    Sem mais delongas deixo aqui a minha satisfação com nosso sistema Judiciário em mais um decisão digna de aplausos.

  2. aldair on dezembro 28th, 2007 at 17:45

    nadegas a declarar hehehe

  3. aldair on dezembro 28th, 2007 at 17:47

    bom se o rapaz ficou frustrado por não conseguier pegar uma mulher na festa,com certeza isso não é culpa da organização,é culpa dele de não ir devidamente municiado com um poçante ou uma bela granana carteira, afinal kér cantada melhor q essa?

  4. Gabriel on fevereiro 8th, 2010 at 6:14

    Bom fica uma dica ai para as pessoas aprenderem a seduzir, eu mesmo estudei sedução por mais de um ano, http://www.artenaseducao.com/

Algo a dizer?

1. Diga o que quiser, você é totalmente responsável pelos seus comentários;
2. Não ofenda as pessoas, não use palavras de baixo calão;
3. Não seja desagradável;
4. Tenha em mente que o conteúdo desse blog é humorístico e/ou irreal;
5. Assim que sair, dê um sorriso;