#partiu

Em todos os cantos do país o que se vê são pessoas combinando como e onde passarão os próximos 4 dias de festa e 1 de ressaca. Praia, sítio ou nas avenidas do samba, todos pretendem esquecer por algumas noites seus nomes, largarão sua dignidade ao passarem por alguma porta ou esquina e trarão após essa maratona histórias para contar. Nem sempre boas, mas trarão todos.

O país que registra 40 milhões de ligações para votar quem fica ou sai do BBB mal consegue atingir 1 milhão de assinaturas para tirar do cargo um mal falado Renan Calheiros, que envergonha a todos que têm um pouco mais de paciência para discutir ou entender política. O país que vai registrar mais de 40 pontos de ibope no dia dos desfiles das escolas de Samba das duas principais cidades do país não consegue sequer ter mais de 1 ponto, se estivermos de olho nas transmissões do senado e câmara de Brasília.

“Mas poxa, vai bancar o chato e falar de política na sexta-feira de carnaval?”, alguns devem pensar. E de olho nesses estão políticos corruptos, prontos para aprovar um novo aumento de salário em causa própria ou elaborar o próximo esquema oportuno para encher o próprio bolso com verba pública. O palhaço, eleito com votos de verdade, já mostra sinais de que quer desistir. Sente falta das palhaçadas mais simples, ganhar dinheiro com seus shows e sabe-se lá por quais outras razões.

Mas hey, é carnaval! Desista desse baixo-astral e vem conosco tomar vodka aqui na piscina.

Eu gosto do carnaval. Eu gosto de ver os desfiles na televisão, acompanhei por algum tempo ensaios na quadra dos Gaviões da Fiel, nunca fui num carnaval da Bahia e nem pretendo – mas calma, sou só eu e meu pânico por multidões falando aqui – e sei que temos a sorte de possuir diversidade suficiente para que todos se encantem, cada um ao seu modo. Festas de música eletrônica, marchinhas, sambas-enredo e todo tipo de poluição sonora que está disponível 24/7 nas ruas e casas do país. Eu realmente gosto de saber que existem diversas opções para todos e cada um tem direito de escolher a sua.

Também sei que cada um pode e deve escolher suas próprias batalhas. Não dá para estarmos em guerra o tempo todo contra tudo e todos que estão errados. Cada um faz sua parte, cada um faz um pouquinho. “Seja a mudança que você quer ver no mundo”, certo?

Mas num mundo tão errado e com tantas coisas estranhas passando por normais, seja na tela do Datena que diz preferir esconder o sangue na hora do “ao vivo” seja por histórias compartilhadas no Facebook, onde fundos de verdade podem sim ser encontrados, eu só queria que as pessoas tivessem mais consciência de suas vidas. Queria mesmo que cada um conseguisse discernir entre o bom e o ruim.

Falta ao mundo empatia, sabe. Aquele sentimento que te faz se por no lugar do outro e tentar entender suas motivações, desejos e sonhos. Seria legal se as pessoas pudessem ter mais consciência disso.

Mas esse aqui não é um abaixo-assinado popular que pode ou não dar em alguma coisa. Esse não é o inimigo de todos na casa mais vigiada do Brasil e que precisa do seu voto para sair ou ficar, continuando assim sua série de supostos jogos e conchavos. Não sou o viral bem produzido do garoto que quer ver o Sean Penn. Sou só alguém que, num momento de empatia, tenta se colocar no lugar de muitos outros país afora e que sente a profunda necessidade de ver as coisas mudarem para melhor. E logo.

Escuto uma buzina lá fora. Parece que o carnaval já começou, ao menos aqui na minha rua. Melhor deixar para pensar em coisas sérias na quinta-feira, já que a quarta-feira de cinzas é o dia sagrado de curar a ressaca e curtir, quem sabe, um último dia de folia. Vamos lá, esquecer da vida por uns dias e ser felizes com o que tivermos. É o que temos que fazer, agora.

Related Posts with Thumbnails
Se gostou compartilhe!

Postagem feita no dia 8 de fevereiro de 2013 às 16:09 e arquivada na(s) categoria(s) Divagação. Você pode acompanhar os comentários usando RSS 2.0 .
Você pode deixar um comentário ou um trackback do seu site/blog.



Opa, ja temos 1 para “Carnaval: És tu, Brasil. Ó pátria amada!”

  1. Jonah on fevereiro 16th, 2013 at 16:39

    Sério que você se leva à sério e se acha escritor? Bloguezinho mais desnecessário, pesquisa de internet engana mesmo…

Algo a dizer?

1. Diga o que quiser, você é totalmente responsável pelos seus comentários;
2. Não ofenda as pessoas, não use palavras de baixo calão;
3. Não seja desagradável;
4. Tenha em mente que o conteúdo desse blog é humorístico e/ou irreal;
5. Assim que sair, dê um sorriso;