Durante 2 anos, cão teve aulas diárias sobre as cartas. Hoje ainda mostra alguma dificuldade, mas consegue apostar fichas e vencer de vez em quando.

Cachorro jogando poker
O “filho” aprendendo a roubar blinds

O americano Phil Bronson revelou recentemente uma curiosidade: ensinou seu cão River a jogar poker. Ele conta que precisou de um baralho especial, no começo, para que o cão pudesse notar as diferenças entre os naipes e valores, mas que hoje em dia ele se sente a vontade jogando com o baralho convencional mesmo.

Tudo começou com uma aposta: Phil garantiu que poderia ensinar qualquer um a ser um campeão no jogo e seus amigos o desafiaram. Ninguém acreditou que ele levaria a sério, mas durante a semana passada o cachorro foi colocado numa mesa contra esses amigos e acabou vencendo algumas mãos. Como prêmio, ganhou cookies e brinquedos para se divertir.

“Tudo é questão de memória, eu o treinei para que ele lembrasse o valor das cartas”, diz. “Com o tempo, ele foi aprendendo a diferencia-las e apostar fichas nas horas que era necessário”, completa. A aposta deu tão certo que Phil pretende seguir carreira de professor de poker, para cães e pessoas. “Foi realmente divertido e com a experiência eu acabei desenvolvendo uma técnica bastante eficaz para ensinar os primeiros passos. Pretendo continuar dando aulas de poker para outros cães e também para pessoas que têm interesse em aprender sobre o jogo”.

Será que você toparia desafiar o seu próprio cão para uma partida de poker, valendo a fuga do banho no final de semana?

Related Posts with Thumbnails
Se gostou compartilhe!

Postagem feita no dia 18 de dezembro de 2012 às 12:38 e arquivada na(s) categoria(s) poker. Você pode acompanhar os comentários usando RSS 2.0 .
Você pode deixar um comentário ou um trackback do seu site/blog.



Algo a dizer?

1. Diga o que quiser, você é totalmente responsável pelos seus comentários;
2. Não ofenda as pessoas, não use palavras de baixo calão;
3. Não seja desagradável;
4. Tenha em mente que o conteúdo desse blog é humorístico e/ou irreal;
5. Assim que sair, dê um sorriso;