Archive for junho, 2013

Jogadores já podem se classificar para disputar a quinta etapa do Campeonato Brasileiro de Pôquer de 2013 que acontece em São Paulo, de 25 a 30 de julho

BSOP São Paulo

Jogadores de todo o Brasil já podem participar dos torneios classificatórios gratuitos para a quinta etapa do Campeonato Brasileiro de Pôquer 2013, a Brazilian Series of Poker (BSOP), que acontece em São Paulo, de 25 a 30 de julho de 2013, no hotel Holliday Inn Parque Anhembi.

A expectativa dos organizadores é que jogadores de todo o país e da América Latina participem desta que será a quinta etapa da prestigiada série de pôquer do Brasil, que conta com o patrocínio do PokerStars.net. “A ideia é fazer deste mais um grande evento, convidando todos os jogadores de pôquer do Brasil a participar e fortalecer a imagem do esporte”, diz Igor Trafane, CEO da BSOP.

Como a etapa acontece em Julho, mês de férias escolares, a organização espera grande adesão de jogadores do segmento universitário. Os torneios classificatórios gratuitos (freerolls) diários já estão acontecendo desde o começo do mês e vão até o dia 20 de julho, e podem ser encontrados na aba ‘Torneio’ > ‘Regional’, no software do PokerStars.net.

Mais informações em: http://www.pokerstars.net/br/poker/promotions/bsop-satellites/

Não sabia que virais estavam em evidência, ainda. Mas achei esse vídeo que usa QR Code (outra surpresa, não use QR Code para nada) e me chamou a atenção por realmente ter sido pensado de forma inteligente. Ou ao menos gerando um impacto interessante.

Foram enviados discos de vinil para publicitários e um inusitado toca discos (com auxílio do iphone) passava a mensagem: Música nova da gravadora na área. E nada melhor, em tempos onde atacar de DJ está definitivamente na moda, do que dar o poder para as pessoas tocarem, passarem a música adiante ou até mesmo… desligarem o som.

Fica o registro.

Uma pesquisadora da Universidade de Oxford e autora especializada em neurociência sugere que um dia o fundamentalismo religioso pode ser tratada como uma doença mental curável.

Kathleen Taylor, que se descreve como uma “escritora de ciência filiada ao Departamento de Fisiologia, Anatomia e Genética”, fez a sugestão durante uma apresentação sobre a pesquisa do cérebro no Hay Literary Festival, no País de Gales, na quarta-feira. Em resposta a uma pergunta sobre o futuro da neurociência, Taylor disse que “Uma das surpresas pode ser a de ver as pessoas com certas crenças como pessoas que podem ser tratadas,” que foi publicado no Times of London.

“Alguém que, por exemplo, tornou-se radical a uma religião – que pode parar de ver isso como uma escolha pessoal, como uma escolha própria resultado de puro livre-arbítrio e pode começar a ser tratado como alguém com algum tipo de distúrbio mental”, disse Taylor. “Em muitos aspectos, poderia ser uma coisa muito positiva, porque não há dúvida de crenças em nossa sociedade que fazem coisas negativas e causam danos.”

A autora chegou a dizer que ela não estava apenas se referindo aos “candidatos óbvios, como o islamismo radical”, mas também relacionando algumas crenças, como a ideia de que bater em crianças é aceitável. Infelizmente, Taylor não estava disponível para comentar o assunto após as declarações.

Esta não é a primeira vez Taylor explorou os processos de uma “mente radical”. Em 2006, ela escreveu um livro sobre o controle da mente chamado de “Lavagem Cerebral: A Ciência de controle do pensamento”, que explorou a ciência por trás das táticas persuasivas de grupos religiosos e Al Qaeda.

“Nós todos podemos mudar nossas crenças, é claro”, disse Taylor em um vídeo do YouTube sobre o livro. “Nós todos persuadimos uns aos outros para fazer as coisas; Nós todos assistimos propagandas; Todos nós temos educação e experiências religiosas; A lavagem cerebral é o extremo disso (as religiões); É forte, é um tipo de tortura psicológica coercitiva”.

Taylor também observou que a lavagem cerebral, embora extrema, faz parte de um o “fenômeno muito mais amplo” de persuasão. Isto é, “como podemos fazer as pessoas pensarem coisas que podem não ser boa para eles, que eles não poderiam ter escolhido para pensar.” No entanto, Taylor também tem sido uma voz de cautela em termos de ética ao se aprofundar muito profundamente no misterioso funcionamento do cérebro humano.

“Tecnologias de leituras diretas ou manipular cérebros não podem ser ferramentas neutras, abertas para exploração comercial como qualquer novo gadget”. Taylor escreveu em um post no blog de The Huffington Post em 2012. “A supremacia do cérebro oferece chances para melhorar a dignidade humana, mas também corre o risco de abusos.”

Assista ao vídeo abaixo para ouvir Kathleen Taylor discutir seu livro “Lavagem cerebral: A ciência do controle do pensamento”.

Fonte: The Huffington Post