Archive for fevereiro, 2010

Luiz Yassuda está conectado.

Rafael: to revendo aqui as jogadas dos gols
porra, foram duas jogadas geniais

Luiz: a do tcheco foi foda

Rafael: sim, pintura
mas me surpreendeu mais a outra
do souza
!!!!

Luiz: mas aí que tá
o souza é bom pra ficar escorando
o foda é que o passe tem que chegar redondo nele
se chegar meio torto, bate na canela e volta

Rafael: exato, foi o que a gente comentou ontem na rua mesmo
ele tem que fazer o que ele fez ali naquela jogada
de costas pro gol, recebe, domina e passa

Luiz: sim
foi bem interessante ontem
ele mudou a cara do jogo
vai ser útil numa libertadores com jogos na base da botinada
dentinho e defederico são craques, mas não aguentam

Rafael: é, ele é trombador, ele consegue segurar a bola
nao mesmo, na base da pancada nao sobra pra eles dois
e o elias, representou depois de meses tbm

Luiz: sim
mas o caso dele era outro
tava faltando um voltante que desse a ele segurança suficiente pra ele subir
marcelo mattos, edu… só decepção
jucilão foi quase, mas ainda muito cru
Ralf resolveu

Rafael: verdade
no final das contas, gostei da estréia

Luiz: sim

Rafael: nao convenceu nem um pouco
mas tem potencial enorme

Luiz: eu tava cornetando ontem:
se o corinthians quer jogar a libertadores com 2 linhas de 4
PRECISA mesmo que os meio campistas apareçam para receber
não só o tcheco
tem que subir elias, tem que subir JH e até o ralf às vezes para botar pressão
um sempre vai sair livre

Rafael: pois é, mas ai esbarramos numa questão técnica
mano menezes
o cara nao vai armar isso

Luiz: mas foi ele quem armou o 4-4-2 clássico
ele sabe disso
tava faltando entrosamento na linha
mas o elias subir à vontade ontem deve ter tido mão dele tb
as jogadas pareceram bem ensaiadas
o que foi uma merda ontem é que, se os meio campistas estão muito marcados, estamos com pouca apresentação pelas pontas
alessandro e RC não são exatamente os laterais que sobem até a linha de fundo
então o jogo fica muito truncado pelo meio

Rafael: mas ficar truncado igual ontem nao foi ruim
pq na hora do vamos ver, foram duas jogadinhas rapidas
deram certo
corinthians dominando a posse de bola
e atacando mortalmente

Luiz: mas foram a única coisa que deu mais certo
as outras tentativas foram fracas

Rafael: ai que ta, tem que investir mais nisso se o jogo tiver igual ontem

Luiz: legal que o meio campo tava entrosado, mas precisa ter jogada pela ponta tb
era O ponto forte do time do ano passado: tem um bom meio campo E jogadas pela ponta

Rafael: mais tarde isso vai virar um post despretencioso
vo pra sampa agora, mais tarde te mostro o resultado
revisado

Luiz: ok

– – –

Só menti numa coisa, não revisei nada. Essa foi uma conversa despretenciosa acerca do jogo.

Poker: Jogo de sorte ou de habilidade?

Posted on fevereiro 22nd, 2010 by Rafael R

Dias desses li algo interessante sobre Poker, mas não consigo lembrar onde exatamente foi. Assim que achar a fonte, editarei aqui. Basicamente, foi o seguinte: Dois grupos de pessoas receberam em mãos as regras básicas do Hold’em (tipo de poker onde você recebe duas cartas e outras 5 são viradas na mesa, cartas essas comunitárias que servem para todos os jogadores da mesa). Um dos grupos teve como apoio um pequeno Couch (Treinamento específico de Poker) enquanto o segundo grupo ficou apenas nas regras básicas. Ao final, foram disputadas cerca de 500 mãos de jogo, e o grupo que recebeu o treinamento a mais teve uma ligeira vantagem frente ao segundo grupo. Para reforçar um pouco mais o estudo, um terceiro grupo foi criado e instruído somente com as regras básicas, conforme o segundo grupo já havia sido. Uma nova disputa entre eles e a mesma resposta: o grupo que recebeu Couch ficou novamente em vantagem em relação aos dois outros.

Como se tratou de um estudo, que teve acompanhamento psicológico e tudo mais, podemos afastar a idéia de que a encomenda teve o resultado esperado apenas pra fornecer argumentos para quem acredita na habilidade dos jogadores. Mas isso fica bastante claro pra qualquer um que resolve se aventurar nas mesas de jogo. Nem sempre a melhor mão inicial vence a partida, e nem sempre uma mão considerada marginal irá perdê-la.

aces
Par de Ás bom é par de Ás acompanhado por mais dois ases no board

Algumas coisas, no entanto, precisam ser colocadas em destaque ao tratarmos desse tipo de tema. Um exemplo clássico é você jogar contra alguém que não tenha noção de jogo, acaba jogando de forma ruim e por sorte vence. Quer dizer, você está lá, jogando direitinho, faz tudo certo e é prejudicado por uma carta no river(última carta comunitária virada na mesa), pondo a perder tudo o que você estava fazendo até aquele momento. Nessas horas, você precisa ter em mente que jogou certo, e somente isso. E no Poker, nem sempre ganhar é o resultado pra quem joga certo. A longo prazo, sem dúvidas, as vitórias virão. Mas as vezes a gente perde também. O fato é que a habilidade vai te mostrar que você vai ser vencedor mais vezes jogando certo do que jogando contando com a sorte, por exemplo. Evidentemente, assim como em outros esportes, a sorte pode decidir o final da partida algumas vezes. Mas não devemos contar somente com ela quando estamos com as fichas no feltro.

Outra coisa que pode ser levada em consideração é o valor do Buy In (valor pago pra entrar no torneio) do torneio em questão. Quanto menor o valor da entrada do torneio, maior a chance de encontrar pessoas jogando mal nele. Num jogo sincero e de nível técnico apurado, poucas serão as vezes em que você verá alguém contando com a sorte vencer. Óbvio, elas acontecem, mas numa escala bastante menor. Afinal de contas, imagine o seguinte exemplo: Você, numa quadra com outros 4 integrantes do time, enfrentando 5 pessoas num jogo de futebol. Se o único lance que o time adversário fizer é conseguir encostar na bola e chutar pra frente em direção ao gol, é possível que em alguns desses chutes eles façam gol, correto? Isso diz bastante sobre jogar contra quem joga mal no feltro também. Gols no futebol podem ser fruto de jogadas rebuscadas, que têm chance maior de dar certo, enquanto jogadas ruins podem acabar em gol em algumas vezes apenas.

poker face
Po po po po poker face!!1

Quando as pessoas falam em estudar o jogo, ler livros, a primeira impressão que você pode ter é “Queeee? Livro sobre Poker? HEINNN?”, mas depois de ler 2 livros sobre o jogo já posso falar melhor sobre como isso tem impacto positivo no seu jogo. Ler o livro do Leo Bello (Dominando a Arte do Poker) faz com que sua mente abra muito em relação as oportunidades que o jogo lhe traz, por exemplo. Você começa a notar detalhes e dicas que sempre estiveram lá, mas você nunca se tocou. A capacitação, em qualquer área que seja, sempre será positiva. E nesse esporte não é nada diferente. Com isso, você pode em muitas oportunidades fugir desses figurões que contam única e exclusivamente com a sorte e começar a dar olé neles nas mesas. É preciso ter essas ferramentas na mente para que seu jogo flua melhor. Por isso, caro coleguinha, invista em estudo sim.

No mais, lembre-se sempre que poker é além de tudo diversão. Você colocaria sua diversão nas mãos da sorte, tendo que torcer pra sorrir, ou pensa que é melhor ser habilidoso com isso para poder usufruir dos frutos colhidos com jogadas precisas e fatais? Eu, particularmente, estou no segundo grupo. Nada melhor que passar um blefe na hora certa, conseguir aumentar o valor de um pote que você tem excessivas chances de levar pra casa e sair da sessão como um vencedor.

– – –

Minhas batalhas nas mesas virtuais esse ano serão mais violentas. Esse blog irá narrar algumas das vitórias, chorar as derrotas e torcer pelo bem desse esporte durante todo o ano de 2010. Novos artigos como esse virão em breve.

Video: O rebolation do carnaval da Bahia era outro dias atrás!

Posted on fevereiro 17th, 2010 by Rafael R

Curtir o carnaval tem se tornado mais difícil, com o passar dos anos. Não fosse o aumento do número de pessoas para onde quer que você escolha ir, a qualidade das músicas que esse numeroso grupo de pessoas tem ido cada dia mais pra baixo. Prova disso é pegar um termo já manjado no mundinho da e-music e dar um novo valor a ele, e vale ressaltar que ambos são péssimos.

Vejamos caso do Rebolation, dias antes de começar o carnaval de 2010:

Esse é um típico vídeo tosco de psy (incrivelmente, 9 em 10 colocam electro com título de psy!!!) encontrado no youtube. Os passinhos coreografados causam inveja em outros seres com número de QI baixo. Existe uma parte dessas pessoas que inclusive chega a montar “crews” com nomes curiosos, no intuito de disputar o que chamam de “Duelos de Rebolation”. Tem vídeos desses em escolas públicas onde pessoas notadamente pobres fazem seus passinhos sem ligar para o sinal, que determina o final do período do recreio. Bizarro.

Agora, após a mania do Brasileiro de adotar como hino qualquer música sem o menor sentido para um período qualquer, o Rebolation mudou de figura e é assim, como o vídeo abaixo demonstra.

Fenômenos que somente os Brasileiros conseguem explicar, vivenciar e/ou aturar. E para todos os casos, mão na cabeça que vai começaaaar, o rebolation xom xom.

– – –

O lado bom: O carnaval JÁ TERMINOU e eu provavelmente nunca mais vou ouvir essa música infernal, chata e que tocou durante os 4 dias que estive na praia, em qualquer lugar que eu ia.

O lado engraçado: O que já era ruim ficou pior. Usar a palavra Rebolation foi sacada de gênio, e o carinha ai parece ter dito que realmente se inspirou no termo que vinha da cena eletrônica. Usar o nome de algo ruim para uma música péssima foi algo sem precedentes, no carnaval da Bahia. (salvo excessões)

O lado triste: Ainda vamos continuar ouvindo isso por ai, vez e outra. Meu ouvido já consegue ignorar completamente o ruído, ao menos.

– – –

Fato que esse ano, a partir de amanhã, começarei a fazer uma poupança onde juntarei fundos que financiarão uma viagem para bem longe desse inferno musical. Nunca poderiamos usar o “se não puder vencê-los, junte-se a eles!” nesse caso, o que me fará descobrir todas as maravilhas do carnaval catarinense, considerado no Brasil como o grande centro da música eletrônica na época do carnaval. Quem vem comigo nessa?

Dash Berlin apresenta: “The Flashback Video Mix 2009”

Posted on fevereiro 12th, 2010 by Rafael R

Não precisa parar tudo o que você está fazendo agora. Separe um tempo (cerca de 40 minutos), esvazie a mente e ouça um dos vídeos mais bacanas já postado no youtube nos últimos tempos: Dash Berlin organizou 11 músicas num set fino e tudo que posso dizer pra vocês é que ouçam com calma.

Tracklist:

01.Josh Gabriel presents Winter Kills – Deep Down (Original Mix)
02.Chicane – Poppiholla (Original Mix)
03.Dash Berlin – Till The Sky Falls Down (Extended Mix)
04.Armin van Buuren feat. Jaren – Unforgivable (First State Smooth Mix)
05.Cerf, Mitiska & Jaren – Beggin’ You (Armin van Buuren Remix)
06.BBE – 7 Days & One Week (Signum Signal Remix)
07.Dash Berlin feat. Emma Hewitt – Waiting (First State Remix)
08.Markus Schulz – Do You Dream (Re-Ward Remix)
09.Armin van Buuren feat. VanVelzen –
10.Andy Moor & Ashley Wallbridge feat. Meighan Nealon – Faces (Ben Gold Remix)
11.Dash Berlin feat. Cerf, Mitiska & Jaren – Man On The Run (Nic Chagall Remix)

Pra quem gosta de trance, vale até a pena baixar o vídeo do youtube e salvar no seu tocador de mp4. A sensação de ouvir isso é indiscritível.

– – –

( * ) Postado aqui, mas poderia muito bem ilustrar um post do Psicodelia.

Dominando a arte do Poker Dias atrás recebi finalmente o novo livro do Leo Bello – “Dominando a arte do Poker – Fundamentos para o sucesso” – e posso dizer com segurança que é um dos melhores livros sobre esse jogo apaixonante ao qual já tive contato. Com uma linguagem fácil de entender e as devidas explicações para teorias e conceitos que podem parecer complexos, você consegue sem dúvidas dar um UP na forma como você enxerga o jogo.

Um dos diferenciais desse livro são as histórias narradas pelo Leo, que ajudam o leitor a entender sobre o assunto tratado no capítulo. Provavelmente seria uma coisa muita chata ler apenas teorias e talvez não entender realmente como aquilo funcionaria na prática. Isso foi resolvido com pequenas ilustrações, a exibição de dados e, vez e outra, pequenos textos dos envolvidos nas questões citadas. E olha que você já percebe a grandeza do livro desde a leitura do Prefácio, elaborado por ninguém menos que Devanir “DC” Campos, um dos diretores de torneios mais competentes do Brasil. E também como convidado, Maurício Rissa (Bastter) traça um paralelo entre o mercado de ações e o poker, num texto que você realmente PRECISA ler. Ou seja, o material é farto e está mais próximo de você do que você imagina.

Todas as páginas do livro demonstram a paixão que Leo Bello tem pelo jogo. E se você também é um novo apaixonado pelo jogo, quer buscar aprimorar a parte técnica ou é apenas um curioso, eu recomendo fortemente a leitura desse que, possivelmente, se tornará em breve um material obrigatório para quem deseja lucrar de forma consistente nas mesas virtuais e reais.

Tenha em mente que esse é o segundo livro que você deve digerir antes de por em prática seus conhecimentos. Se você não tem muita noção do que é esse esporte da mente ainda, pode começar lendo “Aprendendo a jogar Poker“, também de autoria do Leo Bello, que é considerado por muitos como uma referência em material para estudo do game. Recomendo ambos fortemente. E caso você já tenha algum conhecimento do feltro e queira apenas aprimorar-se um pouco mais, pode partir direto para esse. Eu tenho certeza que essa leitura vai despertar em você um campeão e que o investimento valerá a pena.

Livro: Dominando a arte do Poker – Fundamentos para o sucesso
Autor: Leo Bello
Editora: Ediouro
Hotsite: www.dominandoaartedopoker.com.br